Cruzeiro: Como eu fui parar na praça de máquinas de um

August 13, 2019

Introdução

Se você é um Marítimo Raiz, aquele que busca desvendar todas as facetas da profissão e que realmente se imaginava viajando por cada canto desse mundo durante a nossa formação na admirável Escola de Marinha Mercante, com certeza, já se perguntou se seria possível a carreira em navios de cruzeiro e como seria a vida a bordo desse tipo de embarcação…

Meu nome é Juliana Costabile, sou Bacharel em Ciências Náuticas com especialidade em Máquinas, formada pelo CIAGA em 2012. Essas eram questões que eu mesma me fazia frequentemente, até que elaborei e coloquei em prática as dicas que ensinarei adiante.

Após passar por todas as dificuldades e conseguir alcançar o meu objetivo, percebi que muitos colegas de profissão tinham as mesmas dúvidas. Com esse artigo, pretendo sanar grande parte das dúvidas que tenho recebido nas minhas redes sociais sobre o processo de recrutamento de oficiais em companhias de cruzeiro.

Essa é a primeira parte de uma série de três artigos onde você poderá saber, senão tudo, grande parte da vida de um Oficial em navios de passageiros. Desde a procura pela tão sonhada vaga, exigências, processo de recrutamento, até detalhes de como funciona a vida a bordo de um cruzeiro. No artigo final responderei a uma coletânea de perguntas realizadas por vocês amigos, leitores e espectadores do blog. Então, após ler as duas primeiras partes, caso ainda exista alguma dúvida, por favor, comente aqui embaixo, a última parte será dedicada às respostas relacionada as dúvidas enviadas por vocês!

Quais os principais cursos para navios de passageiros?

Os seguintes cursos que foram solicitados a mim: “Controle de Multidões e Gerenciamento de Crises” e “Segurança dos passageiros e da Carga”. Porém, eu não os possuía justamente pois não foram oferecidos durante o meu período de formação.

Esses dois cursos são facilmente encontrados e são oferecidos individualmente em centros particulares de treinamento em vários países, inclusive no Brasil. Entretanto, após várias pesquisas descobri que aqui eles são oferecidos de uma forma um pouco particular. Eles foram incluídos como conteúdo na grade do curso CBSN (Curso Básico de Segurança de Navios).

Na grade do CBSN você também irá encontrar os seguintes tópicos: Segurança Pessoal e Responsabilidade Social / Técnicas de Sobrevivência Pessoal / Primeiro Socorros Elementares / Prevenção e Combate a Incêndio. Por termos formação marítima já possuímos esses conhecimentos. Caso não se lembre, trata-se do nosso certificado TBS-1.

Por mais que, como oficiais, já tenhamos certificados para a maior parte da grade do curso, precisamos realizá-lo para obter os certificados para “Controle de Multidões e Gerenciamento de Crises” e “Segurança dos passageiros e da Carga”. Não é possível realizar esses dois cursos separadamente. Você terá que realizar o treinamento inteiro para obtenção do certificado que conste esses dois assuntos. Então encare como uma reciclagem! Afinal, reforçar e agregar conhecimentos NUNCA é demais!

Geralmente os centros de treinamentos oferecem o pacote CBSN + CFPN, já sabendo que todos os tripulantes não-aquaviários precisarão deles para embarcar. Nosso caso é específico, e se você fizer apenas o CBSN, você já estará pronto e completamente apto a embarcar em qualquer tipo de navio de cruzeiro.

O CFPN (Familiarização de proteção do Navio), que também é conhecido informalmente pelo pessoal da área como o curso antiterrorismo, é o curso de nível operacional. Para nós, trata-se do EOPN, de nível gerencial.

Quais instituições disponibilizam o curso?

Existem vários centros de treinamentos ao redor do Brasil credenciados pela DPC para oferecer esses e muitos outros treinamentos para quem almeja embarcar. Mas lembre-se, sempre antes de realizar qualquer treinamento em alguma instituição, verifique a situação do credenciamento dessa instituição e se ela está autorizada a ministrar o curso em que se propõe.

É possível checar a relação completa de cursos e instituições autorizadas a ministrar cursos profissionais marítimos no site da DPC. Após a conclusão do curso todos os certificados seguem para a Capitania dos Portos responsável pela região para serem homologados. Fique atento! Caso isso não ocorra, o seu Certificado não terá validade para embarque! O endereço para consulta é www.marinha.mil.br/dpc.

Vale lembrar também que muitas das companhias de cruzeiros realizam esses dois cursos a bordo. Eu, por exemplo, só realizei o curso CBSN depois de ser aprovada na entrevista. Sair fazendo cursos desesperadamente sem ter um objetivo claro em mente é desaconselhável. Fará você perder tempo e dinheiro que poderão fazer falta no futuro. Primeiramente você deve traçar um rumo e checar quais cursos realmente vão te ajudar a alcançar o seu objetivo.

Num segundo momento, mas não menos relevante, é importante estudar e aprender como funciona o processo de recrutamento das empresas e começar a se inserir no meio. Um bom networking, redes sociais profissionais, currículo devidamente atualizado e muita pesquisa, certamente contam muito na hora de conseguir uma vaga em uma empresa estrangeira, como verão abaixo.

Como é feita a seleção pelas empresas?

Caso vocês já tenham se interessado e pesquisado sobre o processo de recrutamento para cruzeiros, certamente encontraram várias empresas brasileiras que realizam esse processo, elas fazem a conexão entre as empresas e os candidatos. Entretanto, até o momento que esse artigo foi elaborado, não é comum essas empresas abrirem este processo para os departamentos de nosso interesse, o Deck e Engine.

O processo de seleção para cargos técnicos é realizado diretamente pelo time de aquisição de talentos juntamente com o time técnico de cada departamento. Existem diversos canais com os quais essas pessoas trabalham para buscar esses talentos. No meu caso, o LinkedIn foi a ferramenta utilizada, mas existem outras como o site da Crewell, Cruise Academy, próprio site de cada Companhia, entre outros canais.

Por que quase não existem brasileiros nesse tipo de embarcação?

Pela minha experiência, a maior dificuldade é porque nós, Marítimos Brasileiros, não acreditamos realmente na possibilidade de se trabalhar em cruzeiros. Afinal, nunca conheci alguém que tivesse trabalhado nesse tipo de embarcação e durante a minha formação só se falava em Offshore, Cabotagem ou Longo Curso.

Não pretendo ser clichê, mas precisamos acreditar mais no nosso potencial e na qualidade da nossa formação!

Manter um bom formato de currículo, claro e sucinto, e acima de tudo, pesquisar e aplicar para as vagas contam muito para o sucesso. Nesse pouco mais de um ano em que trabalho na Carnival Cruise Lines, muitos colegas de profissão vieram a mim para tirar dúvidas sobre esse meio até então desconhecido. Dois desses colegas conseguiram efetivamente uma entrevista com grandes companhias de cruzeiros!

Juliana no cruzeiro

Como você fez seu caminho para trabalhar em Cruzeiro?

No meu caso tudo começou por uma completa reestruturação de todas as minhas redes sociais, profissionais ou não. Sim, faz toda a diferença! “Organizações mudam, processos mudam, pessoas mudam. A mudança é parte contínua em processos evolutivos, seja no âmbito pessoal ou organizacional. Tudo está em contínua mudança. Ilusão pensar que não.” Já dizia a escritora, sócio-fundadora da Evolução Humana Consultoria e consultora em Desenvolvimento Humano e Organizacional, Vania Faria Sutherberry.

Então, por que não atualizar aquele seu Facebook que tem fotos e pensamentos seus de dez anos atrás, pensamentos e fotos que não te representam mais? Manter suas redes compatíveis com a pessoa que você é, com ideias coerentes e que você realmente acredita, faz muita diferença na hora de um recrutador chamá-lo ou não para uma entrevista.

Um bom currículo não basta para formar a opinião sobre quem somos. É nesse momento que as redes sociais fazem total diferença. Ali estão nossos segredos mais íntimos e não queremos passar uma impressão errada, não é? Dei o exemplo do Facebook, mas vale para todas as outras redes como Instagram, Twitter, LinkedIn, dentre outras.

De fato, antes da reestruturação das minhas redes eu investi muito tempo e dinheiro na minha qualificação, realizei alguns cursos pelo CIAGA e outros por instituições particulares e fiz um intercâmbio, o que me proporcionou uma grande vivência internacional, além de aprimorar os meus conhecimentos da língua inglesa. Fiquei três anos longe da minha querida profissão mas em momento algum parei de estudar ou evoluir.

É importante lembrar que não existe fórmula mágica para conseguir uma vaga, nem em navios de cruzeiros, nem em lugar algum! O que existe é querer sempre se qualificar, aprender um novo idioma - ou aperfeiçoar um antigo - visitar e conhecer, se inserir em novas culturas, sair da nossa bolha, mais conhecida como zona de conforto.

As consequências de novas e desafiadoras experiências sempre serão boas e sempre nos levarão a lugares e a outras novas experiências. É um ciclo! “Fazer, todos os dias, as mesmas coisas e esperar resultados diferentes é a maior prova de insanidade.” como foi muito bem colocado pelo grande Físico, pai da teoria da relatividade, Albert Einstein. Então, quem somos nós para discordar, não é?!

Assim, convido a todos vocês à reflexão. Qual curso ou experiência que você gostaria muito de fazer, mas deixa sempre na geladeira? O CIAGA dispõe de vários cursos complementares para marítimos completamente de graça. Além de outras instituições credenciadas, como falamos acima, que também oferecem treinamentos à Marítimos, existem também vários programas de intercâmbio para diferentes países e diferentes bolsos, alguns, inclusive, com custo muito baixo.

Mas lembre-se que todas as dicas dadas acima foram baseadas na minha experiência e explicam como eu consegui me tornar um dos poucos marítimos brasileiros que conseguiram se inserir nesse mercado de companhias americanas de cruzeiros e uma das poucas mulheres oficiais de máquinas - única Brasileira - da Carnival Cruise Lines, porém, isso já é tema pra outra conversa… Espero ter quebrado alguns mitos sobre navios de cruzeiro e respondido as perguntas mais frequentes que até hoje foram enviadas a mim.

O que te impede de sair da sua zona de conforto e arriscar? Compartilhe conosco. Tem alguma dúvida que não foi respondida aqui? O que você gostaria de saber sobre a vida de um oficial a bordo de um navio de cruzeiro? Comente aqui abaixo que responderei nos próximos artigos!

Até lá!

Juliana Costabile

Oficial de Máquinas

comments powered by Disqus