O Guia Definitivo da Vetting Inspection

December 4, 2018

Se você trabalha em um navio petroleiro, gaseiro ou químico há pelo menos 6 meses, é quase certo de ter passado por uma Vetting Inspection. Como eu mesmo passei por uma alguns dias atrás, resolvi escrever este artigo para compartilhar o que eu aprendi sobre o assunto.

Neste texto você irá aprender quem são os envolvidos na Vetting, o que é cobrado e baseado em que regras, o que a tripulação pode fazer para ter um bom resultado e como são as inspeções, em geral.

Ao escrevê-lo tive o prazer de contar com a ajuda do Comandante Jurandi, Vetting Inspector, muitíssimo experiente e que se mostrou mais do que disposto a apoiar a Rádio Cipó nesse texto, esclarecendo muitas das nossas dúvidas.

Entidades envolvidas

Antes de qualquer coisa, para facilitar o entendimento, essas são as entidades envolvidas no processo da Vetting Inspection:

  • ## Empresa produtora de petróleo, gás ou produtos químicos

Esta é a empresa que solicita que a Vetting Inspection seja realizada em um dos navios contratados por ela. Para solicitar a Vetting ela deve participar da OCIMF. Será referida como Produtora neste artigo.

  • ## OCIMF (Oil Company International Marine Forum)

É um fórum de empresas produtoras de petróleo, produtos químicos e gás do mundo todo. Atualmente são por volta de 97. Essas companhias se uniram com o objetivo de padronizar as regras e exigências relacionadas as operações, otimizando os processos de inspeção e as próprias operações em si.

Essas imposições não têm valor legal, mas se tornaram regra comum no mercado e são seguidas pelas empresas de transporte. As empresas transportadoras não são participantes da OCIMF, elas apenas seguem as regras impostas.

  • ## Vetting Inspector

Inspetor acreditado pela OCIMF, podendo assim, realizar as Vetting Inspections de acordo com o programa SIRE (Ship Inspection Report Programme, que é o programa de inspeção como um todo). Este inspetor pode ser independente, o que possibilita que ele faça inspeções a pedido de várias empresas da OCIMF, ou pode ser contratado de uma empresa específica, também da OCIMF.

O Vetting Inspector deve atender certos requisitos, como:

  • Ser Comandante ou Chefe de Máquinas com pelo menos 5 anos de experiência no tipo de navio (petroleiro, gaseiro e/ou químico) para o qual ele é acreditado;
  • Passar pelo processo de acreditação (certificação) para se tornar inspetor;
  • Ter conhecimento das diversas legislações envolvidas no transporte marítimo e nas operações a serem realizadas pelo navio inspecionado;
  • e passar por Auditorias para verificar se os processos de inspeção estão sendo corretamente seguidos. Será referido como Inspetor neste artigo.
  • Empresa de transporte marítimo

É a empresa armadora do navio que vai passar pela inspeção. É do interesse dela que o navio tenha um bom resultado para que este continue sendo atrativo para o mercado. Por isso, as empresas de transporte de petróleo, gás e/ou produtos químicos sempre seguem as regras impostas pela OCIMF. Será referida como Armadora neste artigo.

  • ## Navio

Passa pela inspeção e procura** atender todos os requisitos** da OCIMF.

O que é a Vetting?

A Vetting Inspection é uma inspeção realizada pelo Vetting Inspector em um Navio da Armadora a pedido da Produtora. Esta inspeção é realizada para que se certifique que a embarcação está cumprindo os requisitos da OCIMF e da Produtora.

De onde vem o nome

O nome Vetting vem da palavra “veto”, em inglês, ou seja, é uma inspeção cujo objetivo é colher informações de forma que a Produtora possa tomar a decisão de vetar ou aprovar a embarcação para assinar ou manter um contrato.

Quais são os critérios

O navio deve primeiramente seguir todas as convenções internacionais e nacionais relevantes. Porém, muitos dos requisitos da OCIMF vão além dessas legislações, pois alcançam o âmbito operacional o que nem sempre é prioridade nas regras impostas pela SOLAS (Safety of Life at Sea), MARPOL (Prevention of Maritime Pollution), etc.

A OCIMF pode muito bem cobrar que sejam adotados certos procedimentos que não são mencionados em nenhuma legislação, desde que essas ações não contrariem as convenções. Lembre-se de que as regras da OCIMF não têm o valor de leis.

Apesar disso, como todas as Produtoras exigem que os navios cumpram essas regras, as imposições geralmente são cumpridas pelas Armadoras desde a construção dos navios.

Qual é a frequência

O comum hoje em dia é que os navios passem por uma Vetting Inspection no máximo a cada 6 meses. Isso se tornou padrão no mercado e as embarcações que passam por inspeções durante intervalos maiores, geralmente perdem um pouco do valor de mercado.

A Armadora pode solicitar uma inspeção através de uma Produtora, podendo até mesmo ser uma Produtora diferente da que a contratou. (Ex.: A Armadora pode solicitar para a Shell que seja realizada uma Vetting Inspection em um navio com contrato com a Chevron).

Como ter um bom resultado na Vetting?

O resultado da Vetting depende de um trabalho em equipe, não só da tripulação, mas também da Armadora. A questão mais importante é evitar a mentalidade de se preparar para uma inspeção e pensar em manter o navio em boas condições operacionais durante todo o tempo.

Dito isso, ler, aprender e seguir as regras exigidas pela OCIMF é um ótimo caminho para atingir este objetivo.

Por onde se basear

Assim como a IMO (International Maritime Organization) tem a SOLAS e outras convenções, a OCIMF possui as próprias regras, aqui estão algumas delas:

ISGOTT (International Safety Guide for Oil Tankers and Terminals)

É simplesmente a bíblia dos navios-tanque. Essa publicação da OCIMF compreende todas as recomendações, que foram escritas baseadas em anos de testes, pesquisas e anedotas.

VIQ (Vessel Inspection Questionnaires)

É nada mais nada menos que o guia seguido pelo Inspetor para realizar a inspeção. Todas as inspeções são baseadas no VIQ, portanto os requisitos solicitados pela OCIMF podem ser encontrados aqui, o que torna esta publicação uma excelente fonte de pesquisa.

Outras publicações relevantes da OCIMF:

  • A Guide to the Vetting Process;
  • Tanker Management and Self Assessment;
  • Anchoring Systems and Procedures;
  • Recommendations for Oil and Chemical Tanker Manifolds;
  • Ship to Ship Transfer Guide for Petroleum, Chemicals and Liquefied Gases; e
  • MEG (Mooring Equipments Guidelines).

Como se preparar

A melhor maneira de se preparar, de novo, é manter o navio em boas condições e seguir as regras da OCIMF durante o ano todo. Dessa maneira, ao se aproximar a data da inspeção se evitam “correrias” ou preocupação por não estar seguindo esta ou aquela regra.

Tendo o conhecimento dos procedimentos exigidos e seguindo-os diariamente, a tripulação estará tranquila no momento da inspeção, pois terá certeza de que tudo está sendo feito da maneira correta.

Por outro lado, se toda a preparação for deixada para última hora, as correções serão feitas com correria, falta de atenção e todos estarão mais propensos a cometerem erros.

O mais importante é criar o hábito de seguir todas as regras e não se deixar “relaxar” após a inspeção, caindo o padrão do navio.

O que acontece na inspeção

O inspetor geralmente segue uma rota recomendada, mas isso não é uma regra. A inspeção abrange tanto a documentação quanto as operações e os equipamentos. Bombas, tubulações, equipamentos de combate a incêndio, de salvatagem, tanques, medidores de ulagem, tudo isso e muito mais. Os diários do passadiço e da máquina também são inspecionados.

É muito importante prestar atenção nos detalhes. Um ponto de ferrugem aqui, um pequeno cabo solto ali, uma bóia sem marcação, testes não registrados nos Diários, pequenos procedimentos incorretos durante a operação. Tudo isso são observações em potencial e deve ser evitado.

O Vetting Inspector também pode fazer perguntas para os tripulantes. Um exemplo real disso: Ao analisar o livro de GMDSS (Global Maritime Distress and Safety System) e ver os testes semanais do MF/HF o inspetor perguntou ao Oficial responsável o que ele fazia quando não obtia resposta no teste, no que prontamente o piloto respondeu que tentava com outras estações, sendo de terra ou navios, até conseguir uma resposta. A resposta deixou o inspetor satisfeito.

Nesse caso, o Oficial só pôde responder precisa e prontamente porque esse procedimento correto, se tornou um hábito, já que ele realmente o segue todas as semanas. Daí a importância de estar sempre preparado. Talvez, se ele não soubesse tão bem o trabalho dele ou não tivesse o costume de agir dessa maneira, ele responderia de outra maneira, até mesmo errada ou demonstraria dúvidas em relação a sua função, o que não é o ideal.

Nem tudo depende da tripulação

Como o foco deste artigo esteve quase inteiramente na tripulação, achei relevante esclarecer que nem tudo depende dos tripulantes. A equipe administrativa de terra também tem o seu papel, principalmente no que tange à documentação e certificação, manutenção e suprimentos do navio.

É muito importante que as equipes de bordo e terra sempre trabalhem em conjunto para que se facilite a resolução de eventuais problemas e para que se mantenha o alto padrão operacional nas embarcações.

Conclusão

A Vetting Inspection sempre traz uma certa apreensão para a tripulação, estando preparada ou não. Não é por menos, já que, como foi dito anteriormente, o objetivo é avaliar as condições do navio para que a Produtora tome a decisão de vetar ou aprovar o contrato do navio.

Porém, se a preparação é feita seguindo as regras da OCIMF e de maneira regular, durante todo o decorrer do ano, não há com o que se preocupar.

O que podemos tirar disso tudo é que não há nenhum segredo. A OCIMF divulga amplamente para as embarcações os seus requisitos e regras e tanto a equipe de terra quanto a de bordo têm acesso fácil a essas informações. Portanto, a única ação lógica é aprendê-las e segui-las para assim ter inspeções tranquilas e positivas.

Almeida

Segundo Oficial de Náutica e Cofundador da Rádio Cipó

comments powered by Disqus